Para criar uma composição forte é muito importante pensar em como os elementos estão organizados e como isto interfere na compreensão e navegabilidade do leitor pela peça. Para determinar a importância dos elementos, geralmente, os designers usam o bom senso “O que eu preciso olhar primeiro?”. Mas além de estabelecer o ponto de entrada para o leitor, o designer precisa assegurar que os demais elementos não entrem em competição uns com os outros.

Direcionar a atenção dentro de uma composição resulta quase sempre de duas estratégias: Diferenciação ou continuidade.

Diferenciação

Na diferenciação, os elementos alternam em densidade, escala, cor, etc. Ou ainda podemos usar a disposição dos elementos circundantes de modo que a orientação de seus ângulos, curvas ou espaços dirija o olhar em direção ao elemento que se quer destacar.

Neste esquema de composição, os observadores tendem a perceber em ênfase especial em uma forma ou espaço que se separa de algum modo da totalidade da composição: enquanto todos os elementos compartilham características similares, o especial parece ter atributos únicos. Para criar uma hierarquia sob essa abordagem, o atributo único pode ser aplicado com diferentes gradações nos demais elementos.

Continuidade

Já na continuidade, a proximidade relativa dos demais elementos, destaca o objeto principal e, então, dirige o olhar para uma composição secundária. Designers podem usar cada estratégia individualmente ou em sequência.